Pesquisar
Close this search box.

A socialização dos cães tem uma palavra mágica: experiências

Durante a pandemia da Covid-19, o número de animais de companhia nos lares brasileiros aumentou em 30%, de acordo com a pesquisa Radar Pet 21.

Este crescimento, relacionado ao estilo de vida recluso que o período demandou, também trouxe consequências para os animais. “No geral, os cães nascidos na pandemia apresentaram problemas comportamentais por ficarem restritos, não conhecerem outros cães e não terem acesso a barulhos e texturas diferentes aos habituais do seu lar, como por exemplo, a estranheza ao pisar em uma superfície de grama”, afirma a Profª Lu Baldan, médica-veterinária especialista em comportamento animal, que reforça a importância de introduzir diferentes experiências para o animal por meio da socialização.

Os cães precisam ser expostos a novas experiências para entender os mais diversos cenários em que se encontram, da mesma forma que ocorre com as pessoas.

Conhecer novos seres, ambientes e personalidades são partes relevantes para um melhor entendimento do todo.

“A socialização dos cães tem muita importância durante a fase de crescimento, ou seja, quando ainda são filhotes. A convivência do cão com sua mãe, irmãos e irmãs é o primeiro passo para iniciar uma fase de entendimento de convivência”, observa a Profª Lu Baldan.

Após o desmame também é importante que seja feito o protocolo vacinal, o qual é fundamental para proteger estes filhotes contra várias doenças infecciosas, como parvovirose e cinomose, que podem ser adquiridas ao ter contato com secreções, objetos ou outros animais infectados.

Este protocolo inicial, incluindo as doses de reforço, é concluído por volta de quatro meses de vida, e neste momento o filhote está apto a ter contato com outros animais de forma mais segura.

Porém, vale ressaltar que isso não significa que você não deve continuar com as ações importantes, para a socialização de seu cãozinho, durante este período de vacinação.

O que pode ser feito neste período é convidar visitas à sua casa e deixá-lo interagir de forma calma, se habituar aos sons de uma conversa, risadas ou até um volume de voz mais alto, experiências relevantes para o seu cão.

Vale até o oferecimento de petiscos, como o PremieR® Cookie Cães Filhotes, quando introduzir novas pessoas ao ambiente em que o animal vive, pois dessa forma ele associará a experiência a algo bom.

Quando o protocolo vacinal estiver completo, levar o amigão de quatro patas a parques públicos, pet parks ou até mesmo shoppings (hoje vários deles são pet friendly) e este pode ser um passeio para lá de interessante.

A experiência possibilitará aumentar o contato com pessoas e outros cães, além de estimular novas sensações, ao ter contato, por exemplo, com ruídos e odores diferentes.

A médica-veterinária Lu Baldan orienta que antes de iniciar a interação com outros cães em locais públicos, vale uma observação sobre a frequência dos pets naquele ambiente e ressalta a importância de bater um papo com os outros tutores para entender melhor a personalidade de seus cachorros.

“Os cães amigáveis, já habituados a ambientes de brincadeiras compartilhadas, normalmente, sabem respeitar as diferenças de portes e, portanto, dosam naturalmente a intensidade nas interações com outros pets”, avalia a médica veterinária.

Uma dica fundamental é não forçar a socialização. Respeite o tempo de seu cão e evite dar broncas nesse momento para que o pet não identifique a experiência como algo ruim.

Na verdade, a socialização é um processo que deve ser feito durante toda a vida do animal. Lu Baldan observa que a interação com outros cachorros deve acontecer em lugar amplo e, caso o tutor não se sinta confortável em deixar o animal solto no ambiente, ele pode usar uma guia longa.

“Um erro persistente dos tutores é manter a guia muito curta e tensa. Os cachorros têm um ritual de reconhecimento natural, como cheirar o focinho e a traseira, que permite a leitura corporal adequada do seu novo amigo.

A guia encurtada passa a mensagem de perigo ao seu tutor e, por isso, acaba levando a um comportamento mais arredio do pet em relação aos possíveis amigos”.

Fique atento: a socialização é extremamente importante para os cães, porém, não é remédio para tudo no aspecto comportamental.

A agressividade e ansiedade, por exemplo, podem ter outras causas e você, como tutor, deve procurar a ajuda de um médico veterinário para entender como proceder nestes casos. Além disso, outro gatilho importante é o estresse, tema abordado em nosso blog.

Avalie esse conteúdo!

Receba nossa newsletter

Com novidades e conteúdos incríveis sobre a PremieRpet®

ENCONTRE O ALIMENTO IDEAL PARA O SEU PET